"-... esse sujeito de quem estou falando trabalhava como domador de cavalos (...) parecia ter sido feito por encomenda para domar os potros; mas a verdade é que ele tinha outro ofício: o de 'provocador'. Era provocador de sonhos. Isso é que ele era realmente." Pedro Páramo, Juan Rulfo.

domingo, 2 de setembro de 2007

A pérola de um Gênio

Lembraram-me da 9a. Sinfonia e lembrei-me do post da "Pérola" e desta cena de "Minha Amada Imortal" em que o jovem Beethoven aparece fugindo de casa, do pai e refugia-se num lago que reflete a lua e as estrelas. Assim, com a 9a. ao fundo (e Beethoven aparece já velho acompanhando a sinfonia) ele se junta aos astros no céu.

O pai alcoólatra que o batia, a surdez (!!!), a decepção com Napoleão, um amor não correspondido(?)...



A cena em si é uma pérola do diretor e roteirista Bernard Rose. Faltou o final em que a constelação que termina esta cena está no teto da abóbada do teatro onde Beethoven está apresentando pela 1a. vez a 9a. Sinfonia. Quando termina a apresentação ele continua de frente para a orquestra e alguém o cutuca para virar porque às suas costas a platéia está de pé, aplaudindo em êxtase e ele não percebe por causa da sua surdez. Quando se vira ele chora. Gênial!

2 comentários:

bruno disse...

Nossa, arrepiante a cena.
Sem duvida gênial, é ótimo que alguns roteiristas e diretoras ainda consigam passar a essência do filme em entrelinhas e não mastigado como estamos acostumados a ver.

Eulália disse...

Sem palavras!