"-... esse sujeito de quem estou falando trabalhava como domador de cavalos (...) parecia ter sido feito por encomenda para domar os potros; mas a verdade é que ele tinha outro ofício: o de 'provocador'. Era provocador de sonhos. Isso é que ele era realmente." Pedro Páramo, Juan Rulfo.

domingo, 7 de janeiro de 2007

Publicidade, poluição e sensibilidade

Neste início de ano em São Paulo foi travada uma discussão, entre prefeitura e o setor de publicidade, a respeito da nova lei municipal que restringe toda propaganda externa. Isto significa que estão proibidos outdoors, painéis eletrônicos, banners, faixas etc. no município de São Paulo.
Votada na câmara municipal a lei só teve um voto contrário: do vereador Dalton Silvano (PSDB) que foi diretor do Sindicato dos Publicitários do Estado de São Paulo na década de 80. Ele alega, entre outras coisas, que "uma cidade sem publicidade é uma cidade fria".
São Paulo sem publicidade externa não significa que terá a paisagem árida das cidades do leste europeu durante a Guerra Fria. Como gostam de mostrar filmes hollywoodianos típicos do período: uma paisagem monótona, como se só a publicidade e o capitalismo fossem capazes de injetar vida e calor numa cidade. Talvez seja isto que o vereador pense.
Além desta lei, há um outro projeto também em execução ainda referente à poluição visual da cidade: a obrigatoriedade de tornar subterrâneo toda a fiação e cabeamento. Se a lei for levada à risca quem sabe teremos, daqui a algum tempo, uma cidade livre do emaranhado de fios que já fazem parte da paisagem paulistana.
A poluição visual proporcionada pela publicidade, comunicação visual, fiação e outros na cidade de São Paulo é violenta. E, como nos acostumamos à violência também nos acostumamos à poluição. Precisamos reeducar nossa sensibilidade ao que vemos, cheiramos, ouvimos etc. Para quem trabalha e vive na 25 de março os outdoors e o barulho dos automóveis das principais avenidas podem não significar muita coisa. Mas quem mora em bairros com uma legislação mais restritiva quanto à poluição (é o caso dos bairros elitistas do Pacaembu e Jardins) deve saber que há uma grande diferença.

***

A questão da poluição e como estamos acostumados à ela remetem a trechos da carta do chefe Seattle aos presidente dos EUA quando este último se propôs a comprar as terras indígenas. Detalhe: a carta é de 1855 e já mostra o índio preocupado com aquilo que poucos homens brancos se preocupavam naquela época: poluição visual, sonora e olfativa. Alguns trechos da carta:

"Não se pode encontrar paz nas cidades do homem branco. Nem lugar onde se possa ouvir o desabrochar da folhagem na primavera ou o zunir das asas dos insetos. Talvez por ser um selvagem que nada entende, o barulho das cidades é terrível para os meus ouvidos. E que espécie de vida é aquela em que o homem não pode ouvir a voz do corvo noturno ou a conversa dos sapos no brejo à noite? Um índio prefere o suave sussurro do vento sobre o espelho d'água e o próprio cheiro do vento, purificado pela chuva do meio-dia e com aroma de pinho. O ar é precioso para o homem vermelho, pois dele todos se alimentam. Os animais, as árvores, o homem, todos respiram o mesmo ar. O homem branco parece não se importar com o ar que respira. Como um cadáver em decomposição, ele é insensível ao mau cheiro." (...)
"Suas cidades são um tormento para os olhos do homem vermelho, mas talvez seja assim por ser o homem vermelho um selvagem que nada compreende.". (...)
"Este destino é um mistério para nós, pois não compreendemos como será no dia em que o último búfalo for dizimado, os cavalos selvagens domesticados, os secretos recantos das florestas invadidos pelo odor do suor de muitos homens e a visão das brilhantes colinas bloqueada por fios falantes. Onde está o matagal? Desapareceu. Onde está a águia? Desapareceu. É o fim do vida e o início da sobrevivência".

Nada mais atual. Eu não posso deixar de fazer a pergunta batida e óbvia: quem é o selvagem?
Cada frase da resposta do Chefe Seattle ao presidente dos EUA daria um post a parte. Há várias versões, de acordo com as traduções realizadas, da carta. É possível encontrar duas delas clicando aqui.

5 comentários:

Pedro Leco disse...

Fala professor...
fico feliz em você voltar com seu blog. Acho um espaço legal pra expor idéias, publicar textos importantes ou simplesmente poéticos e artísticos... tenho um link do seu blog no meu e entrarei sempre que possível pra ver suas publicações.

Os projetos os quais você se referiu são realmente muito bons!!! Seria bom dizer quem é o "dono" dessas idéias... Enterrar os fios, se eu não me engano, foi um projeto do prefeito neh?!?! Bom, como diz meu pai, a Avenina Paulista é bonita, como é, principalmente pelo fato de não ter fios e postes... muitas vezes não se pode plantar árvores na fernte dos prédios e casas porque as mesmas iriam um dia tomar o espaço dos fios. Mas na verdade foram os fios que tomaram o espaço das árvores... Esse projeto é um pouco complicado para uma cidade como São Paulo, mas vamos confiar e torcer para ele dar certo.

Como estão suas férias? Acabei de comprar um baixo novo. Mandei para um luthier... ele vai tirar os trastes pra deixar o braço liso e virar um baixo fretless. Vai ficar muito louco. Totalmente JAZZ! Ando meio preocupado com o Taubaté... o campeontao está pracomeçar e ninguem se preocupa com contratações... tá todo mundo preocupado em quem manda no futebol do clube. Acho que 2007 será um ano de vergonha para nós...

Já escrevi demais... a gente se fala... abraços!!!

Fe. disse...

A idéia das fiações é boa.
Pelo menos a garotada que empina pipa aqui na rua não ia cortar os fios do telefone bem na hora que eu quero usar --'
Saudades das minhas recomendações musicais? haha

Airton Papeschi disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Airton Papeschi disse...

Fala meu amigo, tudo bem?
Fiquei feliz em saber que vc agora tb está no João XXIII é uma ótima escola. Cuidado apenas com a direção, são ultrapassados e com capacidade duvidosa, com o tempo vc perceberá! quanto aos professores são excelentes, graças ao trabalho deles o Colégio ainda tem credibilidade! Desejo a vc muita sorte vc merece! Ótimo retorno.
Abraços.

Ulisses Coelho disse...

Fala meu querido!!!

Enternecida e relevante é sua preocupação com as diversas poluições das metrópoles. Na condição TRIcolor gostei tambem de sua homenagem ao velho mestre Telê!

Dê uma olhadinha no meu blog tambem!

http://filosofossuicidas.blogspot.com/

abraço